Qual Regime De Comunhão De Bens É Mais Adequado Para Noivos Cristãos?

Há quase 15 anos atrás quando fui me casar, deparei-me com a pergunta: “Qual será o regime de bens?”
 
Quase falei com o funcionário do cartório que eu não estava afim de fazer regime de bens, mas que desejava engordar muito neste quesito.
 
É verdade! Eu nem sabia o que era isso.
 
Eu e Michele pedimos que a moça explicasse a respeito de que o regime de bens se tratava e após ter o devido conhecimento não foi difícil escolher.
 
Mas e você, sabe o que é o regime de bens ou já ouviu falar sobre ele? Já sabe em qual regime de bens pretende se casar? Deixe-me explicar:
 
De forma simples, o regime de bens é um pacto jurídico, um conjunto de regras que determinará de quem são os bens adquiridos antes e a partir do casamento.
 
Existem três modelos:
 
Separação total de bens: cada um tem seus próprios bens.
 
Comunhão parcial de bens: os bens adquiridos antes do casamento continuam como propriedade particular de cada um, mas os adquiridos a partir do casamento são de ambos.
 
Comunhão universal de bens: todos os bens adquiridos antes ou depois do casamento são de ambos.
 
Um desses modelos deve ser escolhido pelo casal antes do casamento civil.
 
Agora, a pergunta que surge é: qual desses modelos é o mais correto para um cristão?
 
Na perspectiva cristã, não existe casamento com separação total de bens. A Bíblia diz que ao casar, duas pessoas tornam-se uma só carne. Sendo assim, quem opta pelo casamento deve anular a expressão: “meu” e passar a entender que tudo é “nosso”.
 
Portanto, o modelo mais adequado para o cristão é o de comunhão universal de bens.
 
Contudo, devido a burocracia: a necessidade de lavrar um pacto no cartório de notas, declaração de imposto de renda, etc, o mais comum e também aceito como modelo cristão é o de comunhão parcial de bens.
 
Levando em conta a mentalidade cristã de que ninguém deve se casar para se separar, a escolha de um regime de bens que torna os bens adquiridos do casal e não de apenas um, fortalece ainda mais essa decisão e mostra que o divórcio não passa pela cabeça do casal.
 
A e digamos que por um infortúnio o divórcio ocorra. Não existe nada mais natural que se faça uma partilha dos bens afinal, se eles não foram adquiridos por participação direta dos dois, foram adquiridos com o suporte e possivelmente, não teriam sido adquiridos em outra situação.
 
Espero ter ajudado!

Júnior Meireles

Júnior Meireles

Júnior Meireles é casado com Michele Meireles, pai da Isabela e do Heitor, criador da mobilização nacional NAMORO COM PROPÓSITO, bacharel em teologia, escritor de nove livros para solteiros, namorados e noivos e atua como conselheiro de jovens desde o ano de 2007.

Gostou? Compartilhe:

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on telegram
Telegram
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe seu comentário:

Artigos Relacionados: